A revisão do encontro perfeito: a evolução da RomCom dos anos 80?

Filmes

Uma tentativa de voltar à era dos RomComs deixa você inseguro se os anos 80 deveriam ter ligado e pedido seus filmes de volta.

O RomCom dos anos 80 se encaixa em um gênero específico por si só. De Say Anything a When Harry Met Sally, o RomCom dos anos 80 tem esse sentimento que o envolve que remete a uma época mais leve e fantasiosa. Em The Perfect Date, a Netflix pega essa fórmula antiga, testada e pura da RomCom dos anos 80 e cria um espaço para ela no mundo moderno. Embora o gesto seja perceptível e elaborado profissionalmente, há algumas perguntas que vêm à tona enquanto você assiste a este filme que não podem ser ignoradas. Apesar disso, é um filme que se esforça ao máximo para ocupar o lugar dos filmes que o antecederam, sempre com o objetivo de trazer de volta a nostalgia que envolve filmes desse tipo.

A história

O encontro perfeito

Brooks Ratigan (Noah Centineo) é um cara comum dos subúrbios, tentando realizar seu sonho de chegar a Yale enquanto pega horas na sub-loja local. Ele rapidamente percebe que isso não será suficiente para pagar seu diploma, mas um encontro casual com um colega de classe o prepara para sair com uma garota e ser pago por isso. Não querendo perder a oportunidade, Ratigan pula de cabeça, conhecendo Celia Marano (Laura Marano), uma garota que adora livros e botas de combate. Depois de navegar com sucesso no encontro e ser pago por isso, Ratigan teve a ideia de alugar seus serviços como acompanhante. Aproveitando as habilidades de seu amigo programador Murph (Odiseas Georgiadis), ele cria um aplicativo que o ajuda a ser pago para sair com garotas, permitindo que personalizem cada aspecto de sua personalidade. Esfregar os ombros com os ricos e poderosos o apresenta à garota dos seus sonhos, Shelby Pace (Camila Mendes), e quando o dinheiro chega, Ratigan parece estar pronto para Yale. Infelizmente, a vida tem outros planos, e Ratigan é pego em um turbilhão de autodeterminação que o leva a questionar as facetas essenciais de sua própria personalidade.

O que uma garota quer?

O filme pretende ser surpreendentemente profundo, mas às vezes fica aquém disso. Os personagens parecem ser a norma esperada para RomComs dos anos 80, mas nomes como Brooks Ratigan não os agradam ao público. Existem conflitos e desejos no filme, mas depois de ter passado pela era dos anos 90, as situações introduzidas pelo filme para ajudar o público a se conectar com o protagonista são um pouco fracas. A representação do comportamento adolescente está no local e é reconhecível por qualquer um que foi para o ensino médio nos anos 90 ou 2000, desde a angústia internalizada até o desejo de se destacar, todos eles se encaixam perfeitamente nessa representação de um adolescente. O verdadeiro conflito do filme vem de Brooks Ratigan tentando descobrir quem ele é. Em sua essência, este filme é um filme sobre autodescoberta, mas está entrelaçado com vários temas sobrepostos que sustentam a premissa inicial. Ratigan tem que fingir ser outra pessoa em todos os encontros e, embora isso pareça muito divertido, pode levar a uma crise de identidade. No caso de um adolescente que ainda não conseguiu descobrir quem ele é, vemos Ratigan lutando para responder a essa pergunta ao longo do filme, e isso dá muito peso ao filme.

Roteiro - 7/10

A escrita neste filme é típica da Netflix para RomComs. Há uma pitada de humor, e o roteiro trabalha para trazer à tona as questões que o filme está tentando fazer. Algumas coisas são questionáveis, é claro - a vida doméstica de Ratigan e suas interações com o pai parecem forçadas, como se os escritores a incluíssem porque ele tem que vir de ALGUM LUGAR, certo? As partes do filme que exploram as relações mais profundas entre os personagens são desenvolvidas em sua maior parte, embora muito pouco tempo tenha sido dedicado à amizade de Brooks-Murph e se esperasse que o público a considerasse um dado adquirido. Embora seja um roteiro adequado, algumas coisas deveriam ter sido exploradas que não foram, e isso deixa o espectador um pouco perdido.

Elenco - 8/10

Elenco do encontro perfeito

As escolhas de elenco para este filme foram brilhantes. Noah Centineo personifica o despreocupado e espirituoso colegial de Brooks Ratigan e Laura Marano dá vida a Celia Marano, tanto que eles parecem as pessoas mais influentes em qualquer sala. Mas essa força também é uma fraqueza. O elenco de apoio de Odiseas Georgiadis e Camila Mendes não tem tempo de tela suficiente como deveria, nem suas ideias e motivações são adequadamente exploradas, permitindo que os atores explorem profundamente os personagens. Nos poucos momentos em que vemos Murph, o público tem uma miríade de perguntas que nunca foram respondidas. Mendes é uma atriz maravilhosa, mas não tem tempo suficiente com a personagem para torná-la pop. Pelo lado positivo, ainda podemos entrar em um de nossos momentos favoritos do passado, assistindo Noah Centineo fazer olhos pegajosos para várias mulheres.

Ritmo - 6/10

Enquanto o filme se move em um bom clipe, existem alguns buracos no chão. O problema mais notável acontece nas cenas que envolvem o pai de Rattigan. Há uma alusão a uma mãe que os abandonou no passado, e isso completa o tom geral dentro da casa, mas olhando para o comportamento de Ratigan, não parece que nada disso realmente o afete. Em vez disso, somos tratados com a visão de um pai escritor esforçado tentando sobreviver na faculdade comunitária local entre a ação de Brooks tentando ser todos os estereótipos do encontro perfeito que existe. O ritmo não é horrível e não se arrasta, mas alguns momentos estranhos aqui e ali o afastam muito do que realmente está acontecendo.

Composição - 6/10

Já estabelecemos que este filme é a iteração moderna do RomCom dos anos 80. Embora tente nos trazer aquele sentimento de nostalgia, certamente não é nenhum nível de intensidade de Sixteen Candles. É um filme alegre, do tipo que a Netflix se destaca em fazer, mas parece mais algodão doce do que qualquer outra coisa. É doce, tem uma conclusão satisfatória e preenche todos os requisitos para o que um filme como esse deveria ser. Mas parece fabricado. E essa é provavelmente a coisa mais reveladora sobre sua composição. Assim como Ratigan está tentando ser o cara que toda mulher quer em seu encontro, o filme está tentando ser cada RomCom dos anos 80 que você gostava de fisgar você. Ele faz cócegas no nervo da nostalgia, mas não consegue se tornar um clássico na linha de seus predecessores.

Geral - 7/10

O encontro perfeito

Embora tenha suas falhas, se você estiver procurando por um relógio agradável que seja mais fofo do que substancial, este é um que você deve conferir. Os fãs de Noah Centineo iriam gostar, e o filme oferece uma exploração única da autodescoberta adolescente. Se, no entanto, você está procurando por algo intenso, duradouro e persistente, é melhor procurar em outro lugar. É um filme adolescente, definitivamente, mas não segue o padrão de clássicos icônicos como The Breakfast Club. Este não é um filme em que você verá grandes gestos como caixas de som do lado de fora das janelas, mas dá uma sensação agradável e confusa quando as coisas se encaixam. É um filme relativamente estável, mas não será lembrado por forçar os limites ou fazer qualquer coisa que quebre o padrão.

Isenção de responsabilidade: as opiniões expressas neste artigo pertencem ao autor e não são necessariamente compartilhadas por trinikid.com