Explicação do final de 'I Am Karl'

Filmes

Com o extremismo crescendo em diferentes partes da Europa, este filme trata desse assunto delicado em um momento em que ele é muito necessário.

eu sou Carl

O extremismo de direita está em ascensão em todo o mundo. Acusados ​​de vitríolo por um grupo de 'outros' ativistas de direita têm espalhado ódio e malícia não apenas na América, mas também na Europa. A desinformação e o ódio se espalham principalmente pelas mídias sociais, tornando a geração mais jovem de nativos digitais um alvo para consumir informações extremistas de direita. A postura anti-imigração, a islamofobia e a desinformação anti-máscaras e vacinas, entre outras teorias da conspiração, são os feitos da hiperpolarização da política.

O filme alemão, ' eu sou Carl ' ou 'I Am Karl' lida com esse assunto delicado em um momento em que abordá-lo é de grande importância. Ele lida com o crescente Movimento Identitário da Alemanha, que é uma forma de movimento extremista de direita semelhante a um lobo em pele de cordeiro. Com o extremismo crescendo em diferentes partes da Europa, este filme, que você pode assistir na Netflix, pode apenas abrir o discurso tão necessário. Atenção, grandes spoilers à frente.



' eu sou Carl ' Sinopse e final explicado

O filme começa com Alex Baier (Milan Peschel) e sua esposa Inès Baier (Mélanie Fouché) ajudando um homem, Yusuf (Aziz Dyab), um refugiado líbio a cruzar a fronteira da República Tcheca com a Alemanha. A história então passa para dois anos após este incidente na casa de Baier, que compreende os pais e seus três filhos. Um dia, quando Alex desce de seu apartamento para pegar as compras em seu carro, uma bomba explode em seu prédio, matando sua família. Sua filha, Maxi (Luna Wedler), também consegue escapar da explosão.



Após um funeral realizado para o falecido, um grupo de repórteres persegue Maxi e ela é salva por um jovem encantador chamado Karl. Ele reconhece Maxi pela reportagem e a convida para se juntar ao seu grupo ativista Re/Generation, um grupo de jovens com ideologias de extrema direita. Maxi é introduzida no grupo e compartilha sua trágica perda como parte dele. Sem o conhecimento dela, eles foram os responsáveis ​​pela explosão da bomba que matou sua família. Depois de saber que a bomba havia matado seus conterrâneos, acredita-se que Karl se aproxime de Maxi por culpa. Eles desenvolvem um relacionamento.

Jogos Políticos de Karl

A ideologia de direita de Karl, baseada na islamofobia e em sentimentos anti-imigração, o leva a tomar medidas extremas para criar uma mudança política na Alemanha contra os imigrantes. O primeiro passo foi plantar a bomba para criar uma onda de medo e ódio. Ele então apóia uma política francesa de direita, Odile Duval, e até participa de um comício. Lá ele convence seu compatriota de que um deles precisa ser assassinado para criar ainda mais sentimentos de medo e raiva contra os 'outros'. Ele se oferece para se sacrificar e depois de discursos empolgantes no comício de Duval, Karl é morto a tiros. Isso leva seu grupo a adotar o slogan 'Je Suis Karl' ou 'Eu sou Karl' como uma forma de criar um movimento de que a vida dos cidadãos da Alemanha estava em risco devido aos imigrantes. Mas é claro que tudo era ódio e tensão fabricados.



Os motins e a fuga

Alex tem estado preocupado procurando por sua filha. Ele se reconecta com Yusuf depois de dois anos, que agora atende pelo nome de Adam, para evitar discriminação. Ele consegue localizar Maxi na França e os dois decidem trazê-la de volta para casa. Enquanto isso, o assassinato encenado de Karl ocorreu e um motim estourou. Temendo que Yusuf fosse o alvo da multidão violenta, eles o esconderam em um carro. À medida que a multidão fica cada vez mais violenta, é Yusuf quem vem em seu socorro. Ele leva Alex e Maxi para um túnel subterrâneo. Os três conseguem sair vivos do motim. O filme termina com esta nota pungente de que o inimigo não é realmente quem pensamos que é.